Falar que a área de estudos do comportamento humano tem estado em ebulição nos últimos anos já está virando lugar comum, o que é um motivo mais do que justo para comemorarmos. Tivemos em 2017 o Prêmio Nobel de Economia novamente agraciando a área e um de seus principais expoentes Richard Thaler. Mas as boas novas não pararam por aí. Por isso resolvi trazer um case prático onde a Economia Comportamental aplicada à políticas produziu resultados relevantes.

Uma das principais áreas onde podemos verificar aplicação das ciências comportamentais tem sido para suporte às políticas públicas. Mas essa aplicação não é gratuita ou fruto de mais um modismo ou influência do mainstream. Pelo contrário! São muitos os motivos pelos quais as Ciências Comportamentais devem ser levadas a sério e consumidas sem restrição por qualquer que seja a esfera ou área do Estado.

Dentre os vários motivos citados, destaco aqui o custo benefício de determinadas ações propostas por cientistas comportamentais. Sabemos que para qualquer Estado, as finanças públicas e o equilíbrio do balanço de pagamentos são um dos maiores desafios a vencer.

Se considerarmos a questão da produtividade, temos aqui um desafio ainda maior. A eficiência de serviços públicos muitas vezes é classificada como caótica. Exemplo mais comum para nós brasileiros é o próprio serviço de público daqui. Independente da esfera em que ele esteja, em geral o serviço é lento e consequentemente pouco produtivo.

Assim por si só, políticas que melhorem mesmo que marginalmente a produtividade, já se configuram como um enorme agente de mudanças positivas, sem falar que aumentar a produtividade é sinônimo de reduzir os custos, neste caso.

Via: Terraço Econômico | http://bit.ly/2CVbRYw

Um exemplo de como a Economia Comportamental pode auxiliar na redução de custos e aumento na produtividade dos serviços públicos está na Austrália. O gabinete do Primeiro Ministro Australiano, implantou uma ação simples de envio de SMS que mudou duas realizadas muito relevantes para o setor de subsídios a trabalhos desempregados.

Como já dito aqui, quando bem estruturadas e testadas, soluções baseadas em arquitetura de escolha e nudges entregam resultados de maior impacto às políticas públicas, sem que para tanto, seja necessário grande investimento financeiro. No caso em questão estamos falando de um simples envio de SMS.

O Governo Australiano com a simples notificação de SMS melhorou a comunicação de pessoas cadastradas no programa de subsídio de renda para desempregados, evitando cancelamentos e transtornos que levavam os beneficiários às repartições públicas para serem atendidos e regularizarem sua situação para recebimento do benefício.

Com isso, foi verificado um importante aumentando na produtividade do atendimento com redução de filas nos postos de atendimento. Melhora a produtividade e também a imagem do serviço público. Confira o resumo da intervenção e os resultados abaixo.

 Explicando a ação e os resultados

– A maioria dos candidatos a emprego que recebem Subsídio chamado de “Newstart” (novo começo) ou Subsídio de Jovens (outros) que são pagamentos de suporte de renda, tem que reportar seus rendimentos a cada quinzena. Os relatórios reportados fora do prazo, atrasam os pagamentos e podem resultar em seu cancelamento.

– Foi utilizada a ciência comportamental para testar se os lembretes SMS ajudam as pessoas a cumprir seus prazos de relatórios. As mensagens foram enviadas no dia anterior a que as pessoas deveriam informar.”.

– Foram testados diferentes tipos de mensagens;

– O envio de qualquer versão da mensagem ajudou as pessoas a informar a tempo. O resultado foi que 13,5% a mais de envios de relatórios dentro do prazo para o grupo de pessoas que receberam o lembrete via SMS;

– Três versões da mensagem ajudaram a reduzir cancelamentos de pagamento em comparação com nenhuma mensagem:

 1 – Lembretes de SMS com redução de ganho reduziram os cancelamentos em 43%

 2 – O SMS personalizado com ganho reduziu os cancelamentos em 33%

 3 – SMS reduzidos e personalizados reduziram os cancelamentos em 31%

Você deve estar se perguntando como algo aparentemente tão simples pode gerar resultados tão expressivos. Não se engane, por traz da estratégia de intervenção e para a formatação da ação de envio dos SMS tem muita ciência envolvida. Os próprios textos de cada mensagem, certamente foram cuidadosamente estudados e embasados em muito pesquisa científica.

O que parece uma trivialidade, na verdade é muito mais complexo do que parece. No entanto a boa notícia é que no Brasil e no mundo existem cada vez mais cientistas comportamentais dispostos a colaborar e desenvolver esse tipo de intervenção. Então não há mais desculpas para não termos inciativas como a do Gabinete do Primeiro Ministro Australiano.

Já passou da hora do setor público brasileiro incorporar um time de cientistas comportamentais sérios e éticos para dar suporte à implementação de políticas públicas. Os dados não mentem e falam por si.

Se quiserem conhecer melhor o trabalho do time de cientistas comportamentais da Austrália, o que recomendo fortemente, basta clicar no botão abaixo.

Até o próximo post!

Referências:

REPORT: Effective use of SMS: timely reminders to report on time. | Professor Michael J. Hiscox, Scott Copley, Jacqui Brewer, Andrei Turenko, and James Wilson.