Novamente #Bitcoin . Não tem como deixar o assunto de lado, ainda mais quando vemos uma pesquisa como esta da foto realizada pela Mckinsey. A pesquisa mostra a opinião sobre os maiores riscos ao crescimento econômico mundial, segundo mais de 3.000 executivos entrevistados ao redor do mundo.

É de se esperar que a maior mudança no nível de risco venha da expectativa de que a economia global sofra com bolhas de ativos. Apesar de ainda não ser possível categorizar o Bitcoin como sendo propriamente um ativo, certamente os movimentos e todo o cartaz que a mídia tem dado à moeda digital influenciou fortemente a visão dos entrevistados sobre os riscos para o próximo ano.

Em economia comportamental temos algumas heurísticas e vieses que explicam muito bem o resultado da pesquisa, em especial o motivo pelo qual o risco previsto de bolhas de ativos tenha se destacado como mais importante risco na opinião dos executivos entrevistados.

Vamos mencionar alguns:

– Heurística da disponibilidade: é um atalho mental que faz com que avaliemos a probabilidade de ocorrência de um evento com base na facilidade que eventos semelhantes estão disponíveis ou acessíveis em nossa memória. Assim a grande exposição que bolhas de ativos tem ocupado na mensuração de riscos financeiros ao longo dos últimos anos, pode ter influenciado a resposta dos executivos entrevistados.

– Prova Social: quando consideramos o comportamento de outros com principal base para nossa própria tomada de decisão. Neste caso, certamente os executivos entrevistados, conversam com pessoas do meio, discutem os mesmos assuntos, consomem as mesmas fontes de notícias, enfim vivem num grande mundo onde todos tem praticamente as mesmas informações e opiniões. Neste momento é bem provável que ao responder a pesquisa os entrevistados tenham replicado muito do que ouviram ou leram em suas redes. No final das contas, é como se todos formassem um consenso inconsciente e respondessem com base no pensamento do grupo.

– Regra do pico fim: segundo essa regra, nossa recordação de eventos passados é formada não pelo valor médio da intensidade entre eventos positivos e negativos com que algo ocorre, mas sim pelo ponto mais extremo experimentado ao fim da experiência. Dessa forma em relação aos riscos das bolhas de ativos, certamente a lembrança da experiência com essas modalidades de investimentos se formou com base nos eventos desastrosos para as economias no mundo. Assim é provável que o ponto extremo das crises com bolhas passadas tenha formado a expectativa dos entrevistados, levando-os a classificar como mais provável risco para 2018.

– Excesso de confiança: ter confiança excessiva na capacidade de prever o futuro é certamente um problema recorrente. Neste caso elevado devido ao fato de que executivos muitas vezes atribuem maior peso às suas intuições e informações passadas, deixando de ponderar corretamente incertezas ou mesmo a presença de possíveis cisnes negros (eventos disruptivos) em suas previsões. Um bom exemplo é caso do peru de natal expresso no livro A Lógica do Cisne Negro. O peru de natal é alimentado e bem cuidado por mil dias. Se fossemos perguntar a ele qual a previsão para seu bem-estar no dia 1001 (um dia depois do dia de número 1.000), ele certamente iria prever que seria bem alimentado com sempre. Mas acontece que estamos no natal. É chegada a hora do peru de natal virar ceia de natal. Neste ponto temos um cisne negro. Um evento disruptivo não previsto pelo comportamento dos dados históricos. O gráfico abaixo ilustra o resultado de 1001 dias na vida do peru de natal.

E assim segue a vida, pelo menos para nós humanos, pois afinal o peru de natal já era. Já o Bitcoin parece ser mais uma espécie de peru de natal digital do que propriamente uma moeda digital. Derretendo nos mercados nessa semana, muitos já consideram que a cryptomoeda seja uma das maiores bolhas de todos os tempos nos mercados. Enquanto ainda não consigo comprar bitcoins, porque as corretoras (exchanges) “misteriosamente” não estão realizando operações….

Fica a dica para ter cuidado com esse novo mercado. Afinal, pelo visto temos ainda muito conflito de interesse nas exchanges, pouca estrutura para que o mercado funcione minimamente bem e liquidez duvidosa.

Parece mesmo que temos bons motivos para pensar que 2018 sofrerá com bolhas de ativos e que o Bitcoin será o protagonista.