Seria uma evidência de como nosso sistema 1 é formado ou treinado? Uma confirmação da neurociência que valida a Teoria do Sistema Dual?

No estudo que deu origem à imagem cerebral, mostrada logo abaixo, pesquisadores mapearam a atividade cerebral de pessoas em dois momentos distintos: A primeira vez que jogaram Tetris e após já estarem familiarizados com a tarefa de jogar o mesmo jogo.

sistema-dual-neurociencias

O que os pesquisadores descobriram?

Na imagem do lado esquerdo vemos a atividade cerebral quando uma pessoa experimentou pela primeira vez o jogo Tetris. É possível notar, apesar da imagem estar em preto e branco, que o cérebro foi amplamente “ativado”. A ativação pode ser vista pelas áreas mais claras em realce, seguindo a escala no centro da imagem.

Num segundo momento, após algum treino com o mesmo jogo Tetris, o cérebro, mostrado na figura acima, à direita, apresenta intensidade e áreas de “ativação” reduzida, o que evidencia uma característica de especialização do cérebro nas atividades que são repetidas. Isso certamente produz uma evidência muito significativa que corrobora a teoria do Sistema Dual de Kahneman e Tverski (TVERSKY; KAHNEMAN. 1973) e mostra de forma efetiva como nosso cérebro se especializa criando atalhos cognitivos (heurísticas). Estes atalhos além de reduzir o custo psicológico de determinadas decisões, possibilitam ao cérebro consumir menos energia a cada tomada de decisão ou execução de tarefas que são demandadas rotineiramente.

sistema-dual-neurociencias-arte

Sabemos que esses atalhos por vezes nos levam a vieses e não raro nos fazem tomar decisões consideradas nada racionais. No entanto, mesmo com os riscos que as decisões automatizadas trazem, elas são ainda decisivas para que nós, como espécie humana, tenhamos evoluído e chagado até aqui na escada da evolução.

Somos sim uma espécie com racionalidade limitada, porém até o momento, mesmo com os erros sistemáticos que viemos apresentando ao longo de nossa evolução, ainda não há opção à vista que viabilize um cérebro racional. O motivo é simples: não haveria energia suficiente para que nosso cérebro funcionasse sempre no sistema 2 (Racional), mas isso é assunto para outro post.

Até a próxima!

PS.: Quem quiser ler o artigo, segue a referência abaixo

CAMERER, Colin; LOEWENSTEIN, George; PRELEC, Drazen. Neuroeconomics: How neuroscience can inform economics. Journal of economic Literature, v. 43, n. 1, p. 9-64, 2005.