Quando parece que as coisas vão se acalmar na Europa, eis que surge um novo ponto de tensão econômica.

Após convocar um referendo para 23 de junho próximo, para decidir sobre a permanência ou não na União Europeia, o Reino Unido acabou por azedar um pouco o câmbio com impacto direto em sua moeda, a Libra Esterlina. E não estranhem, pois isso é mais comum do que pode parecer.

Em economia é muito relevante a expectativa que os agentes econômicos têm em relação ao futuro. São essas expectativas que por vezes geram os movimentos de capital e investimentos, aumento ou queda no consumo e outros muitos movimentos.

A expectativa se travestiu de incerteza, sobre a saída do Reino Unido da União Européia e o primeiro impacto foi sentido na moeda, a Libra. Com isso, a desvalorização da Libra já passa da casa dos 5% perante ao dólar.

expectativa

Tudo são expectativas! No gráfico abaixo, publicado pelo Jornal Financial Times, vemos claramente o reflexo que eventos geradores de incerteza causaram na Libra ao longo dos anos.

grafico-libra-financial-times

Nesse ponto, analistas já consideram uma queda nos juros, impactando diretamente toda a gama produtos financeiros como fundos de renda fixa, aplicações em títulos do governo, enfim uma contaminação relevante para o rendimento das aplicações financeiras.

Entendeu porque o mercado ficou estressado e tende a ser mais conservador?

jane_austen_sou_metade_agonia_wl

Adicionalmente reflexos são automaticamente sentidos na economia real. Com a moeda desvalorizada e juros em queda, reforça-se a importância do mercado interno para que o Reino Unido saia do mundo da incerteza. Porém há ainda muita pressão econômica, pois existe um déficit em conta corrente alto por lá.

currentaccountdefi_3257969b

Isso tudo acaba deixando os agentes mais avessos ao risco e nesse contexto é improvável que haja alguma reação no mercado interno. O certo mesmo é que teremos muita gente correndo para dólar e títulos dos EUA.

Mas nem tudo são espinhos. Com a moeda desvalorizada, abre-se espaço para os exportadores que ficam automaticamente mais competitivos no mercado internacional. Isso se os mesmos forem arrojados o bastante para apostar a favor da economia interna.

Em tempo, vale explicar o termo Brexit que nada mais é do que a junção com abreviação de Britain com exit. Traduzindo: Grã Bretanha fora. Fora da União Européia, será?

Saberemos em 23 de junho!